Quando trocar as palhetas do limpador de para-brisa

 

 

Uma outra coisa simples no carro que todo mundo esquece de verificar e trocar são as palhetas que limpam o para-brisa em dias de chuva. Saber que está com problemas é razoavelmente simples. Basta perceber que em dias de chuva a palheta deixa rastros de água pelo vidro, o que prejudica a visão do motorista, principalmente a noite quando o farol dos carros contrários iluminam e refletem na água que ali fica.

Outra maneira de prever é percebendo se a borracha não está ressecada ou cortada. Nesse caso, além de não limpar a água, há também o perigo de riscar o para-brisa do carro. Saiba que não tem cera que tire risco de vidro. Muitas empresas até oferecem serviço de polimento, mas são para riscos extremamente superficiais e que não estão no ângulo de visão do motorista, até porque esse polimento pode e na maioria das vezes acontece, o aparecimento de grau, distorção na visão no ponto que foi polido. Outra coisa que acaba com as palhetas são substâncias corrosivas. Portanto limpe-as apenas com um pano úmido. Nunca use produtos químicos. Carros que ficam no tempo precisam de maior atenção por causa do sol. A recomendação da troca é anual ou toda vez que perceber algo diferente, como trepidações das palhetas ao serem exigidas. Confira na ilustração abaixo os possíveis problemas:

Além das palhetas, falamos aqui dos riscos que elas podem causar no para-brisa e que não há como tirar 100% no polimento sem causar danos e grau. Tem casos que os riscos incomodam tanto que você resolve trocar o para-brisa. Pode acontecer até com uma pedrinha de estrada que bateu e trincou. Uma outra hora eu escrevo um artigo mais completo sobre o assunto, mas antes de fechar, fica uma dica: se você optar por trocar o para-brisa do carro por estética, tire uma foto do antes e depois. Digo isso porque os vidros vendidos, mesmo sendo originais e com o chassi carimbado, eles não possuem a chancela da montadora (o logotipo da Ford, por exemplo, no cantinho do vidro), ou seja, na hora da venda, fica mais fácil provar o motivo da troca com a foto do antes e depois. Nós temos técnicas para saber, mas um cliente comum muitas vezes pode perceber a troca do vidro e desconfiar o porque ela foi feita, passando mil coisas pela cabeça dele, como por exemplo uma batida de frente mais forte e não um simples risco ou lasca de pedra de estrada.

Fica a dica. Espero que tenha gostado. Curta nossa página no Facebook.

Um abraço!

 

Tagged , , , , , , , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *